Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para busca 3 Ir para rodapé 4 Acessibilidade 5 Alto contraste 6

---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?

Obras
Obras da Passarela da Rua Itajaí são retomadas

Publicado em 19/08/2021 às 11:09 - Atualizado em 19/08/2021 às 11:09


Créditos: Divulgação Baixar Imagem

   A Prefeitura de Gaspar, através da Secretaria de Obras e Serviços Urbanos, retomou as obras da passarela de pedestres da ponte da Rua Itajaí. A ordem de início das obras foi assinada nesta semana com a nova empresa licitada e os trabalhos iniciam com a produção das peças. A previsão de entrega, conforme contrato, é de até 90 dias.

   A empresa vencedora da nova licitação foi a VRS Serviços Eireli, do Paraná. Conforme o secretário de Obras Luis Carlos Spengler Filho, “tivemos uma importante conversa com os representantes onde foi salientada a importância da rápida finalização da obra com a qualidade contratada. Conforme o projeto são previstos 90 dias para a execução, mas mediante urgência, poderá ser finalizada antes”.

   A obra faz parte do Programa Avança Gaspar, que realizou e prevê diversas outras obras de infraestrutura no município. Mediante o aumento populacional, passarelas como esta da Rua Itajaí demandam uma estrutura mais segura e ampla. A nova passarela da popular “ponte do Alvorada” será constituída de estrutura metálica, com guarda corpo no mesmo material e chapa piso xadrez em aço. Todas as peças devem ser galvanizadas a fogo, que é um processo que impede a oxidação dessas estruturas.

   A nova passarela deve conter média de 45m de extensão e 2m de largura. Também serão contemplados os acessos, com a aplicação de concreto armado. A obra será fiscalizada pelo Setor de Engenharia da Secretaria de Obras. “As estruturas já estão sendo montadas internamente na empresa licitada. Vamos alinhar a agenda da obra para gerar o menor transtorno possível aos usuários. A instalação deve ocorrer num final de semana”, finaliza o secretário. Ao final da obra a fabricante fornecerá o "Certificado de Garantia" que deve cobrir os elementos fornecidos quanto a defeitos de fabricação e montagem, no período de 5 (cinco) anos, contados a partir da data de entrega definitiva.

   A obra havia iniciado no final de janeiro deste ano (2021) e teve o contrato rescindido com base em estudos técnicos, que concluíram que estava sendo montada uma estrutura de qualidade inferior à contratada.